Não cometa os mesmos erros que Terapia do Prazer

Quando o autor assiste um filme e não consegue não pensar como um autor. Quero te falar uma coisa nesse post: NÃO COMETA OS  MESMOS ERROS QUE TERAPIA DO PRAZER.

É um filme de 1997 que está disponível na Netflix e traz a história de recém-casados que buscam terapia de casal para ajudar nas questões que eles tem entre si.

O marido fica chocado quando em uma sessão, ela confessa que sempre fingiu os orgasmos.

Porém, o choque maior vem ao descobrir que a esposa freqüenta a clínica de um médico peculiar. O doutor Baltazar faz $exo com as pacientes como parte da terapia.

Gostei do fime e recomendo que assistam, pois ele trás reflexões relevantes sobre a sexualidade feminina e como “praticamos o sexo”, mas tem alguns pontos que eu quero destacar, para evitar erros ao escrever  meu romance.

Oi! Bora casar!

Mesmo que o tropo da história seja um “instant love” e/ou um conto, não deixe seus personagens se apresentarem como se estivessem em um speedy date.

Dê tempo para eles contarem suas histórias e se conhecerem.

Mesmo que eles REALMENTE se conheçam em um speedy date, deixe que os protagonistas se conhecam.

Eles precisam explorar as camadas individuais deles. Mesmo que de forma mais concisa, é essencial não sair presumindo coisas e esperar que o leitor entenda de onde veio isso.

TÁ FRIO? TÁ QUENTE?

Assim como a maioria dos romances adultos, TERAPIA DO PRAZER trás relações sexuais bastante interessantes.

O sexo faz parte de um bom romance e a gente gosta, claro, mas cuidado para não jogar cenas quentes sem planejamento e deixar o leitor sem saber se deu bom, se deu ruim ou se no final nem deu…

coerência sempre bem-vinda!

Seguindo a mesma linha de pensamento da apresentação e das relações sexuais, seus personagens precisam ter uma trajetória que faça sentido com as próprias escolhas, se não parece que tudo foi colocado ali só porque sim!

NÃO COMETA OS MESMOS ERROS QUE TERAPIA DO PRAZER, PEGUE UMA PIPOQUINHA E TIRE SUAS PRÓPRIAS CONCLUSÕES JÁ ELE ESTÁ DISPONÍVEL NA NETFLIX .

 

MEGARROMÂNTICO. Clichê anticlichê!

 

MEGARROMÂNTICO. Clichê anticlichê!

Estava eu tentando entreter meu filho que parecia não se contentar com nada e decidi colocar algo para passar na TV.

Zapeando pelo catálogo da Netflix , vi a propaganda do “Megarromântico” – Isn’t It Romantic (título original) – e eu como super fã de comédias românticas que sou resolvi colocar para nós assistirmos.

capa original do filme megarromanticoMegarromântico” é um filme muito bem feito que satiriza todos os clichês das comédias românticas com uma genialidade ímpar.

O filme de pouco menos de uma hora e meia que estreou ontem (28/02/2019) é – mais – uma produção original da grande empresa de Streaming de filmes e séries.

O elenco trás o rosto clássico de Rebel Wilson (Natalie) que protagoniza de maneira incrível a vida de uma moça comum que acorda dentro de uma comédia romântica clichê.

REFUTANDO A TÍPICA GAROTA QUE PRECISA DE UM HOMEM PARA SER FELIZ E NÃO CONSEGUE.

Natalie é uma jovem arquiteta abusada e menosprezada no ambiente de trabalho, desmotivada pela mãe, cética com o amor, o que a tornou fechada e com a auto-estima baixissima, que após ser assaltada e deixada inconsciente acorda misteriosamente em uma comédia romântica aonde tudo conspira ao seu favor de maneira surreal.

potencial para conquistar tanto os fãs do gênero quanto quem não aprecia a melosidade sempre presentes NOS CLICHÊS.

A trama explora os aspectos clichês – e por vezes sem sentido – dos romances de maneira muito inteligente e perspicaz.

Prepara a pipoca e os lencinhos pois, mesmo refutando todos os clichês, o filme é um romance e você poderá chorar!

Eu ri muito das cenas bem trabalhadas entre os mocinhos e também chorei pela emoção causada pelo desfecho ligado a autoestima e realização da protagonista.

Se você gosta de um bom clichêzinho, confira a RESENHA LITERÁRIA: MEU NOVO AMOR (DE MENTIRA), L.C ALMEIDA